quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

[100L Discos] II - A Montagem



Depois da mega-limpeza, seguiu-se a montagem do novo cenário.
Bom, metade já estava feito, o areão e as raízes estavam prontos. O primeiro habitante, para iniciar o ciclo, embora não muito desejado, também lá estava e apesar de nunca ter gostado dele, só pela resistência que demonstrou ao longo de meses de desleixo e uma semana de limpeza extrema, ganhou o meu respeito e o meu afecto. Merecia ser chamado de "O pequeno gaulês", mas na verdade chamo-lhe Banhas, dado o que engordou nesses tempos áureos em que as algas dominavam o aquário.

A fase seguinte eram as plantas. A "selva" existente tinha sido arrancada e eu tinha agora um monte de plantas emaranhadas pelas raízes:
- limpei e arranjei todas as plantas, podei as raízes e tirei folhas mortas;
- aproveitei cerca de 1/4 das plantas para o novo cenário, e o restante dei a amigos aquariofilistas;
- comprei duas espécies de plantas mais altas, para o fundo, pois todas as que me restavam eram médias ou baixas;
- substituí uma das lâmpadas, que já mostrava sinais de envelhecimento;
- em cerca de 2 dias com "peat" no filtro, o ph baixou dos 7,8 e estabilizou nos 6,6;

O segundo habitante deste novo cenário foi um simpático pleco que se encarregou de limpar todas as algas escondidas em recantos das raízes e folhas que eu não tinha conseguido limpar, e que passou a fazer o serviço de limpeza dos vidros desde o primeiro dia. Nunca mais tive de limpar vidros desde que o tenho. (Bom...era o HQNA que fazia isso, mas pronto, nunca mais foi preciso.) Devido à forma como se prende nos vidros, apelidei-o de Bocas.

E durante uma semana, o Bocas e o Banhas trabalharam na limpeza de algas e restos de tudo o que tinha escapado à minha mega-limpeza.

Com o ph estável e o aquário limpo, comecei a introduzir os novos habitantes, neons e corydoras, e a preparar-me psicologicamente para acolher os discos, o objectivo final.

Sem comentários: