quinta-feira, 2 de junho de 2016

As crianças não mentem

A minha mãe deu-me um vestido. Vi, gostei, pus na mala e só experimentei quando cheguei a casa, mesmo por cima da roupa que trazia, só para ver se servia.

Decidi então auscultar a população masculina da casa e perguntei ao Homem-Que-Não-Assina: "Gostas?"
E o Homem-Que-Não-Percebe-Nada-de-Moda respondeu: "Não sei se é por estar por cima da roupa, mas parece um avental!"
Eu resmunguei com a total falta gosto e senso comum para separar o vestido do cenário e perguntei aos putos: "A mamã está gira?"
O J. respondeu "Sim".
O F. respondeu "Sim, está gira...
De imediato toda eu era sorrisos e disse convencida ao HQNA "As crianças não mentem!", e entretanto o F. acaba a frase: "...parece uma cozinheira!"

quinta-feira, 12 de maio de 2016

How geek am I ?

Entro em casa e ouço isto vindo da sala:


E pergunto de seguida: "Está a dar o Jurassic Park?"

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Uma caixa de Pringles e 3 rolos de papel higiénico

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Aaah, seu fuinha!

Significado de Fuinha

substantivo
1. (Informal; Pejorativo) Indivíduo coscuvilheiro; pessoa que gosta de espalhar boatos ou mexericos;
2. (Informal; Pejorativo) Pessoa agarrada a dinheiro; sovina ou avarento;
3. (Informal) Indivíduo com peso a menos; magro em demasia;
4. (Zoologia) Animal de pequenas dimensões, mamífero e carnívoro; possui um focinho pontiagudo, um corpo alongado e flexível e patas curtas, pelo preto e cinzento escuro e um odor desagradável que lhe é característico.
(Etm. do francês: fouine)
Na sexta feira passada, uma fuinha causou um curto-circuito no Acelerador de Partículas do CERN, ao saltar para um dos transformadores da sub-estação, causando a paragem de parte do equipamento e desde essa data que o acelerador está parado, para reparação.
Reli esta notícia várias vezes e outras relacionadas e não consigo largar a imagem mental do fuinha a ser pulverizado em pleno vôo. Cena digna de um "Idade do Gelo".

terça-feira, 26 de abril de 2016

O que nos faz crescer

Ao longo da vida vamos encontrando pessoas que nos marcam, quer de forma positiva, quer de forma negativa, irritante, insuportável.

Não têm de ser necessariamente as pessoas com quem passamos mais tempo, ou que interagem connosco de forma mais forte. São simplesmente pessoas que nos obrigam a mudar, a adaptar, que nos ensinam a crescer.

Por quem tem máxima resistência à mudança, estas costumam ser pessoas detestadas, odiadas, e amaldiçoadas. Por quem está no meio termo, como eu, são odiadas em pequenas doses pontuais, mas ao longo do tempo e de uma forma geral, são apreciadas. Não só pela evolução e emoção imediata que nos provocam, mas também pelo nosso entendimento das potencialidades e capacidades que não sabíamos ter.

É difícil reconhecer estas pessoas, em especial durante o tempo que nos atormentam, e muitas vezes só nos apercebemos que foram elas a ensinar-nos a lidar com algo muito depois de já não as vermos, mas se por sorte (ou muita atenção) encontrarem uma a tempo, agradeçam-lhe.

Obrigado V.