quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Pediram-me para voltar a escrever aqui...Feliz São Valentim

Está certo que o Natal é quando um homem quiser, e que não devia haver dias específicos para celebrar coisas importantes, mas a verdade é que se não houverem esses dias, passam-se os meses e os anos e no meio das tarefas e do trabalho, vão-se os momentos sem serem apreciados.

Hoje é dia de S. Valentim, dia de olhar para o amor. Longe de mim tentar definir tal coisa, acho que todos passamos a vida a aprender o que é, mas tenho tido bons exemplos.

Na festa de Natal dos meus filhos, baixei o telefone, parei a gravação de vídeo e fiquei a olhar para um grupo de crianças de 5 anos totalmente desafinadas e dessincronizadas a cantar e a fazer uma coreografia. E tinha lágrimas nos olhos, o peito apertado, sentia as bochechas a perder a cor. Ridículo não é? É amor!

No último treino de futsal do meu filho F., fiquei mega fã, muito atenta, a apreciar cada movimento, ao ver que ele já conseguia muito a custo e muito devagar fazer o zig zag com a bola entre os cones, sem a ir buscar ao fundo do pavilhão em cada cone como no treino anterior. Que craque, que talento, que rapidez na evolução. Não tem lógica, pois não? É amor!

Uma amiga que está sozinha há muitos anos disse-me recentemente que encontrou finalmente alguém e conforme me ia contando como tudo se encaixa, a alegria dela contagiava-me e fiquei tão feliz que quase senti que me estava a acontecer a mim. Não faz sentido, pois não? É amor!

Nenhum dos meus filhos recebe ou tira um doce sem tirar outro para o irmão. Altruísta, não é? É amor!

Neste ano que passou, entre as atribulações da vida pessoal, profissional e desportiva, fui injusta e cheguei a ser má para muitas pessoas à minha volta, principalmente as mais próximas, em tentativas falhadas de me defender/salvar/sobreviver. Nenhuma delas me abandonou. Sofrimento gratuito, não é? É amor! :)

Feliz São Valentim, que pelo menos hoje consigam ver o amor que vos rodeia todos os dias.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Odeio o Natal (sem abraços)

Odeio o Natal, desde que os meus pais se separaram, odeio! Mas agora ainda mais, talvez porque se expandiu a família, sistema esse que sempre me fez confusão.

Nem sempre fazemos as escolhas certas, caramba, olhem para nós!
Mas se tentarmos só fazer de cada dia um dia bom, só um de cada vez, aproveitando tudo o que ele nos dá, sim, mesmo sem pensar em consequências na maior parte dos casos, garanto que conseguimos pelo menos um sorriso por dia e isso já não é mau!

Por mais passada que ande, há sempre 4 bracinhos que me tiram o peso todo de cima, uns segundos por dia, nem sempre consigo isso todos os dias, mas nos dias que consigo vale por todos.

Na 2ª feira a seguir ao Natal estava em baixo de espírito quando fui acordar os putos de manhã, o F. acordou, olhou para mim, abraçou-me e disse "Mamã, gosto muito de ti". Comecei a chorar instantaneamente, misto de alegria e tristeza e realização de como era a coisa mais bonita que me tinha acontecido neste Natal. 

Ele perguntou-me porque estava a chorar, na verdade era medo que ele cresça e deixe de me dizer estas coisas, mas eu disse "Porque o Natal acabou.".

quinta-feira, 2 de junho de 2016

As crianças não mentem

A minha mãe deu-me um vestido. Vi, gostei, pus na mala e só experimentei quando cheguei a casa, mesmo por cima da roupa que trazia, só para ver se servia.

Decidi então auscultar a população masculina da casa e perguntei ao Homem-Que-Não-Assina: "Gostas?"
E o Homem-Que-Não-Percebe-Nada-de-Moda respondeu: "Não sei se é por estar por cima da roupa, mas parece um avental!"
Eu resmunguei com a total falta gosto e senso comum para separar o vestido do cenário e perguntei aos putos: "A mamã está gira?"
O J. respondeu "Sim".
O F. respondeu "Sim, está gira...
De imediato toda eu era sorrisos e disse convencida ao HQNA "As crianças não mentem!", e entretanto o F. acaba a frase: "...parece uma cozinheira!"

quinta-feira, 12 de maio de 2016

How geek am I ?

Entro em casa e ouço isto vindo da sala:


E pergunto de seguida: "Está a dar o Jurassic Park?"

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Uma caixa de Pringles e 3 rolos de papel higiénico