segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Conversas Alheias

Ouço na mesa ao lado:

"Está bem, traz lá o bicho, o pior que pode acontecer é ele começar a mijar em casa e nesse caso tem bom remédio, deixamos-lhe a porta aberta e vai à vidinha dele!"

Foi por pura vergonha (por ter de admitir que estava a ouvir a conversa) que não fui pregar um valente tabefe no autor desta frase. Pessoas destas metem-me nojo!

Ok, pronto, um tabefe talvez não, mas uma valente reprimenda e enumeração de tudo o que um cão faz por nós que muitos humanos não fazem, disso não se escapava.

A sério, se não pode ou não quer ter um cão, NÃO TENHA!

sábado, 28 de agosto de 2010

A vingança

Apesar de eu ser uma banana que prefere afastar-se dos inimigos do que confrontá-los, tendo até pena deles quando lhes acontece algo, tenho de confessar que em alguns casos, a vingança sabe muito bem. Especialmente se essa vingança não for provocada, procurada ou perseguida, mas simplesmente acontecer, segundo a teoria "Nature finds a way".

A melhor vingança não é a desgraça dos outros, mas sim a nossa própria felicidade.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Sapo do tamanho de uma ervilha

Porque estamos em "silly season", aqui fica uma notícia, só porque tem "ervilha" no título:

http://ecosfera.publico.pt/biodiversidade/Details/sapo-do-tamanho-de-uma-ervilha-encontrado-no-borneu_1453019

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Quem não tem cão, caça com Omnia

Apesar do desaire da máquina fotográfica, a visita ao Badoca acabou por ficar bem documentada.
Ora digam lá se o meu Omnia não tira umas fotos à maneira:

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

O tempo não espera

Os dias correm como doidos e quando damos por isso já se passaram meses, às vezes anos desde um determinado acontecimento.
Quantas vezes já vos aconteceu ouvir uma notícia na televisão sobre o aniversário da morte de alguém ou de um qualquer desastre natural e dizerem: "Já foi há tanto tempo? Parece que foi ontem!".
Pois é mesmo assim, o tempo não espera por ninguém e a pior situação de todas é quando descobrimos que já é tarde demais.
Sou uma pessoa distraída, esquecida, por vezes preguiçosa e por estas razões a única forma de me domesticar a mim mesma para resolver questões é tomar resoluções, como as de fim de ano, coisas do tipo: a partir de agora, e custe o que custar, venha chuva, sol, trabalho, sono ou preguiça, faço o auto-compromisso de só comer uma coisa doce por dia, beber pelo menos 1 garrafa de água por dia, brincar pelo menos 5 minutos com o meu cão todos os dias, namorar pelo menos 5 minutos com o HQNA todos os dias, coisas assim... E quando me aplico nestes compromissos, raramente falho.

Há quanto, caros leitores, é que não fazem algo?
Há quanto tempo não vão jantar fora ? (sim que a vida está cara, mas podem sempre repartir uma dose)
Há quanto tempo não fazem exercício? (andar de elevador e conduzir não conta)
Há quanto tempo não fazem algo espontâneo? (mudar de caminho à ida para casa, trocar o carro por uma mota ou mesmo pedir a menina do café em casamento, embora seja melhor primeiro convidá-la para jantar)

terça-feira, 24 de agosto de 2010

A reportagem (não) fotográfica

Nunca deixo de me espantar, mesmo quando acho que já me conheço ao ponto de me prevenir contra mim própria, continuo a conseguir dar a volta à situação.
Ao chegarem as férias entusiasmei-me logo com a ideia de fotografar tudo e todos, fotos para o blog, fotos para a BD, fotos para o Facebook, fotos para que sim.
Nos preparativos para a partida, entre malas, marmitas de bichos e carregamentos de cremes protectores, sabendo de antemão o que esta cabecinha me reserva, lembrei-me de por a carregar dois pares de pilhas para a minha querida máquina. Orgulhosa de mim mesma por tão grande "alembradura", no dia seguinte guardei a máquina e as pilhas na mala de viagem e aí vamos nós.
Os primeiros dias de praia passaram-se bem só com o telemóvel, para as habituais fotos de inveja para a família. Mas chegou o dia de dar bom uso à máquina, para uma visita ao Badoca Park.
Pilhas carregadas, outras de reserva, lá estava eu toda contente a ver o primeiro show das aves de rapina, e mesmo ao meu lado um mocho de orelhas, um bichinho simpático, 80gr. de penas e dois olhos enormes a olhar para mim. Saco da máquina, ligo, aponto ao bicho, grande plano logo para abrir as hostes, "eh pá, g'anda foto", foco e...."cartão memória não inserido"!
Ficou em casa, metido na impressora.....AAAAAAAHHHHHHH!

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Vamos a contas

Ora então vamos lá ver. Foram 10 dias de férias, o que em pendentes dá:

- Mail Trabalho - 80 (foram dias calminhos);
- Mail Pessoal - 232 (metade é publicidade);
- Google Reader - mais de 1000 posts (acho que vou estragar a rodinha do rato de tanto "scroll");
- MeoBox - mais ou menos 30 episódios de séries diversas;
- Pilha de roupa para passar - 1,5m em altura (mesmo a calhar para acompanhar o item anterior);
- Assuntos a tratar em serviços de função pública - uns 3 ou 4 (raios, preferia passar mais 3 pilhas de roupa!)

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

De modos que é assim

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Faganhoto

Coisas que encontro no trabalho.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Os dias parvos

Há dias parvos, sem sentido, sem maneira nenhuma de serem remendados.
São dias em que não nos sentimos nós próprios, em que qualquer que seja a situação, nos sentimos fracos, feios, tristes. Não tenho explicação para estes dias, simplesmente acontecem, e tanto podem passar despercebidos se tivermos a sorte de não interagir com ninguém, como podem passar de dias só parvos a dias muito muito estúpidos, tão estúpidos que o melhor é esquecê-los, se tivermos o azar de nos cruzarmos com a mínima chatice.

Não faz mal ter dias parvos, em algum dia terá de sair a parvoíce acumulada de todos os outros dias, o stress da falta de férias, os nervos de não ter dito tudo a quem merece. Não faz mal, porque temos milhentos outros dias felizes, para compensar. E sem estes dias parvos, os dias bons não teriam sabor nenhum.

Não faz mal ter dias parvos, o que faz mal é passar essa parvoíce a outros, a quem não tem culpa, a quem por acaso ía a passar e levou com um estilhaço da nossa depressão. Acontece, e só posso agradecer a quem me atura nessas alturas e tem a calma e a paciência de me segurar firme. Não há desculpas possíveis, mas há dias, muitos dias pela frente, para fazer esquecer a parvoíce.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

O conquistador

Vocês sabem que o Homem-Que-Não-Assina nasceu no mesmo dia que o D. Afonso Henriques e que o William Wallace (o gajo do BraveHeart)?

Ah pois é! Está explicada a natureza dos actos de coragem que de vez em quando vou contando por aqui. Sim, sim, começando pelo heróico acto de me aturar todos os dias, já sei.

Parabéns Homem-Que-Não-Assina, o que vais conquistar tu?

Emprestei o BMW ao HQNA

HQNA - Aquilo nas rotundas é fixe!

(Medo! Pânico! e outras coisas acabadas em "raisparta o maluquinho da velocidade")

HQNA - Mas esqueço-me que tem a frente mais comprida!

(Não estás a ajudar!)

HQNA - E enganei-me a meter a marcha-atrás e meti a primeira.

(LÁ-LÁ-LÁ-LÁ não quero ouvir mais nada!)

Nota: O carro está bem, o que quer dizer que o Homem-Que-Não-Assina ainda está vivo e de boa saúde.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Rais'parta maisó 3D e maisó VP

À já habitual tarefa de procurar sessões para ver um filme de desenhos animados em versão original, junta-se agora a de procurar sessões que não sejam em 3D.
Se a primeira condição já era difícil, duas condições ao mesmo tempo é quase impossível. Com a agravante de várias das listagens de salas não terem a informação actualizada, incluindo os próprios folhetos dos cinemas, levando-nos ao engano muitas vezes.

Senhores donos de cinemas, custa assim tanto ter duas salas, uma 3D e em português, para os putos e paizinhos que os querem aturar, e outra em versão original e 2D, para quem gosta de ver cinema sem ficar com os olhos em bico nem os ouvidos em papa?

É que até ficavam a ganhar com isso, que muito mais gente ía ao vosso estabelecimento e passado pouco tempo já tinham um estudo aprofundado de qual o tipo de sessão que merecia a pena prolongar mais semanas (provavelmente a 3DVP) e entretanto já as pessoas normais tinham visto uma sessão em condições!
(imagem de http://9gag.com)

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Respirar fundo e contar até 10

São 9h00, chego à Loja do Cidadão, tiro uma senha do IMTT, aguardo meia-hora, e aproveito para preencher o formulário de alteração de morada.
Sou chamada e informo a senhora que tenho 2 assuntos a tratar, informando-me ela a seguir que o primeiro assunto não é ali, mas sim na sede em Lisboa:
- ...e prepare-se para 2 ou 3 horas de espera.

Avanço para o segundo assunto, entrego o formulário e a senhora responde:
- Tem de ser com caneta preta.

Levanto-me, pego noutro formulário, preencho a preto e vou de novo à mesma senhora. Enquanto espero que ela me chame, aproveito para me certificar que não está escrito em lado nenhum que é preciso escrever com caneta preta. A senhora atende-me:
- É preciso uma fotografia.

Levanto-me, vou tirar fotos no centro comercial ao lado.
A impressora das fotos encrava, o fotógrafo abre-a, tira várias peças, espreita lá para dentro, desiste e vai buscar outra impressora.
A segunda impressora dá erro, falta de papel e de tinta. O fotógrafo vai buscar rolos e tinteiros. Substitui tudo e as fotos saem. São 6€, só tenho uma nota de 20€.
Fotógrafo - Não tenho troco para si.
O meu subconsciente - É claro que não tem...

Vou ao café em frente, peço para trocar a nota.
Menina - Não fazemos trocos.
Eu - Então quero comprar uma água.
Menina - Pequena, média ou grande?
O meu subsconsciente - UMA QUALQUER!
Eu a rosnar baixinho - Pequena.
Menina - Fresca ou normal?
O meu subsconsciente - AAAAAHHHHH!!!!!!!!

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Nem sei para que tenho uma

Dormir na própria cama é um acto completamente fora de moda e muito sobrevalorizado.