segunda-feira, 29 de junho de 2009

O fim do mundo

Toda a gente sabe que a melhor maneira de curar gripes é ficar a jogar consola até os olhos nos saltarem das órbitas, não é?
Portanto ontem à tarde, estava eu a caçar anéis e a matar génios maus no "Sonic", quando me tocam à campainha. Fui ver, era um casal de aparência estranha, tão estranha que de repente pensei que o Circo Cardinali estivesse agora a vender bilhetes porta-a-porta.
Não eram do circo, queriam apenas falar comigo para me explicar "Como sobreviver ao fim do mundo".
Eu ainda me senti tentada a iniciar uma conversa com o senhor, do estilo "Então mas se acabar o mundo, de que é que me serve sobreviver? É que se acabam as minis e os caracóis, não estou a ver...", mas resolvi que esta era uma conversa que iria dar pano para mangas e além disso eu estava quase a conseguir passar aquele raio de nível, difícil como tudo, em que temos de chegar ao fim sem anéis, portanto disse 4 ou 5 vezes "Não obrigado, não estamos interessados!" e depois fechei a janela ainda com o senhor a dizer "Mas é muito importante saber o que fazer quando o dia chegar!".
Ora, há tempos gozei com o post da maçã...ontem não atendi o senhor dos Jeovás...hoje chamei palhaço ao S. Pedro, no seu próprio dia....isto não vai bem não....

(foto retirada de http://cafecomnoticias.net)

4 comentários:

Afonso Loureiro disse...

Não és a única a receber previsões apocalípticas...
Andam aos pares...

SS disse...

Depois queixas-te!

JF disse...

Andas a pedilas... ai se andas!!

Mas concordo contigo quanto à parte dos caracóis e das minis...

C. disse...

Pode ser que haja uma oportunidade de assistires ao vivo e na primeira fila.

Os porta-vozes do "Querido Lider" já informaram que as mais de 13.000 (sim, treze mil) peças de artilharia neste momento apontadas a Seoul podem vomitar cerca de meio milhão de obuzes de alto explosivo, isto só na primeira quaterohora de barragem.

Que lindo fogo de artifício!!!

E as bombas antónias estão guardadas para "riscar os imperialistas americanos do mapa"

Mas os americanos calculam que conseguem limitar os mortos em Seoul a "só" 100.000 (cem mil) ou 200.000 (duzentos mil), isto apenas nas primeiras 24 horas, com ataques aéreos às posições de disparo.

Mas a competição é em Ulsan e em Seoul só se fica o tempo para almoçar e mudar de avião.

A Ulsan só chegam mísseis e eles estão agora a gastá-los em testes...

Que burros...