sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Não fui eu, dona! Foi o Alzheimer!

Como é sabido, acompanho com curiosidade e orgulho o envelhecer do meu gato Lucas e as peripécias que daí resultam. Com o passar dos anos adquiriu muitas manhas e manias, algumas que me surpreendem pelo engenho, outras que me irritam pela teimosia.
Depois de anos inteiros com pouco mais ambições que comer e dormir, dou agora com ele a brincar entusiasmado com bolinhas de papel, a correr como um louco pela sala, a trepar pela árvore de natal ou, a última panca, a esvaziar a caixa dos sacos de plástico. Só porque sim!

2 comentários:

al disse...

oh meu amor nunca ouviste falar na segunda meninice! aí está ela! somos de novo crianças, queremos mimos e paródia.

SS disse...

Hi!Hi! Com a idade está cada vez melhor.