quinta-feira, 31 de maio de 2012

Mais notícias dos pepinos que afinal são courgettes

É curioso como crescem estes vegetais. Em vez do habitual crescimento gradual, em que desde pequeno se vê a forma final do fruto, neste caso forma-se o produto final a partir do caule da flor, como se levasse "boost's" de alimento, assumindo sucessivas formas incompletas.
Assim que o tal "boost" chega ao fim do fruto, inicia-se outro na base, de diâmetro maior que o anterior. E assim segue o crescimento, suponho que se apanhe o fruto quando deixarem de haver "boost's".


Só faltava um textozinho em cada uma , em jeito de barra de progresso a dizer "Fase 3 - Courgette em crescimento: 56%"

quarta-feira, 30 de maio de 2012

O Special One não poupa

Anda por aí um anúncio na TV que me irrita profundamente. Está o Special One sentado numa cadeira, à janela do que é possivelmente uma das suas casas milionárias, a falar de poupança e como é importante na família.
Desculpem lá, ó senhores do Millennium, acham que alguém vai nessa história? Alguma vez aquele homem precisa de poupar? Nunca mais na vida!!! Provavelmente até teve de ter aulas de dicção para conseguir articular aquela palavra no anúncio, tal era o desconhecimento do que tal coisa quer dizer!

Acham que ele se preocupa com os dias em que o supermercado faz as promoções, fica à espera da data certa para usar os vales de desconto em cartão, ou que junta cupões para descontar nas compras?

Acham que ele sabe sequer a quanto está o combustível? Nem faz ideia!!! Chega, atesta, cartão Visa e toca a andar, nem olha para o mostrador da máquina!

E espero bem que a "brilhante" ideia desta escolha de personagem para o anúncio não seja com a intenção de nos fazer crer que se pouparmos vamos ficar ricos como ele...já chega o BES com o Cristiano a usar o porquinho-mealheiro...

terça-feira, 29 de maio de 2012

O pepineiro que dá courgettes

Falava eu no outro dia da inexperiência na agricultura e de não saber reconhecer as espécies, e de repente o pepineiro da minha mini-horta começou a dar frutos.

Toda contente quando vi as flores enormes amarelas, fiquei ansiosa que secassem para ver nascer o primeiro pepino.

E aí está ele, o primeiro fruto, uma courgette! E mais se seguem nas flores ao lado....

Bom....não vai dar para a salada, mas não se estragam, ficam para as sopinhas no Inverno.


segunda-feira, 28 de maio de 2012

BD Caseira XXI


terça-feira, 22 de maio de 2012

Guilty Pleasure

Ele há coisas que não dá para resistir. Como por exemplo, quando se encontra uma pastelaria que vende jesuítas como deve de ser. E como deve de ser, entenda-se, é com aquela capinha dura de açúcar por cima, que estala crocante ao mínimo toque.

Estão na moda agora os jesuítas maricas, só com amêndoa torrada por cima, porque "ai os outros tem muito açúcar, que horror!" e já são raras as pastelarias que vendem "jesuítas à homem". A mim não me convencem os jesuítas maricas, quem me tira a capinha de açucar tira-me tudo, ou neste caso, tira-me o prazer crocante de quebrar a tal capinha.
É por isso que, tendo fome ou não, sempre que apanho uma pastelaria a vender jesuítas "à homem", compro um, nem que seja para comer mais tarde.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

A seriedade é relativa

Não gosto de brincar com coisas sérias mas a seriedade é relativa. Relativa em tempo e em pessoas. O que alguns acham ser trivial, pode para mim ser assunto tabu, e daqui a algum tempo o que trato com leviandade pode ferir susceptibilidades e pode até tratar-se do mesmo tema.

É por isso que há assuntos que nunca chegam a passar por aqui, há outros que demoram imenso a chegar e outros são documentados passo a passo desde o início. É relativo.

Fazem-me rir (e rir a sério) as pessoas que falam comigo pessoalmente e ao saber de alguma notícia mais importante me respondem com espanto: "Mas não escreveste nada no blog!" ou "Mas não puseste nada no Facebook!"

Meus amigos, a vida não acontece nos blogs e no Facebook! A vida acontece lá fora, com pessoas a sério, que respiram e sentem e sofrem as palavras que se escrevem nos blogs e Facebook's. Já para não falar das que se aproveitam, gozam e usam as mesmas palavras....

Serve isto de introdução à Notícia do Século que vou publicar em breve e que muitos me condenam por ainda não ter publicado. Bom....não será A notícia do século, mas é uma notícia e está a decorrer um século....

(comentários "spoilers" serão recusados)

terça-feira, 15 de maio de 2012

A primeira salada

Lamento voltar a maçar-vos com as alegrias da minha horta, mas se ontem vos falei do primeiro maracujá, não podia deixar falar hoje na primeira salada feita com as alfaces que tanto trabalho têm dado na luta contra as caracoletas.
Pois agora posso afirmar que compreendo as caracoletas por continuarem a insistir em tentar passar numa rede onde a casca não passa, para chegar às apetecíveis folhinhas verdes.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

A Ivete salvou o maracujá

A casa da Ivete
Em 2011 plantei 2 maracujás. Um no terreno da minha mãe, outro no meu quintal.
Fazendo frente aos incrédulos, que argumentavam ser uma planta tropical a necessitar de calor, argumentámos que como todas as plantas, só precisava de amor e carinho, um bocadinho de música brasileira para o ambiente e o calor vinha por simpatia.
Por simpatia ou pela música, a verdade é que o maracujá da minha mãe reagiu às cantorias e às piadas com a Ivete Sangalo, dando logo no primeiro ano 5 maracujás! O meu, talvez por não ter tido direito a cantoria, deu muitas flores, mas frutos nada.

Este ano, o meu maracujá começou de novo a florir, mas as flores caíam todas. Pesquisas na net, perguntas a quem sabe, e começaram as dúvidas: talvez fosse uma espécie estéril, talvez faltassem bichos para fazer a polinização, cheguei a andar com um cotonete a polinizar as flores, mas nada, as flores continuavam a florir e a cair.
Numa destas sessões de polinização, o meu coração parou, quando ao mexer distraídamente numa flor vejo uma parte da flor a mexer. Ali, camuflada entre as pétalas, uma aranha da mesma cor.
O pânico, o horror, a minha mão que esteve tão perto. No fundo, a aracnofobia....
Ivete na nova flor
Passei a vigiar aquela flor diariamente, e como todas as outras, depois de atingir o auge num dia, fechou e começou a murchar no outro. A aranha mudou-se para a flor ao lado e eu passei a vigiar essa flor, ignorando por completo todo o resto da planta. Na minha cabeça dançavam ideias de como me livrar daquele bicho, já que não podia contar com a ajuda do Homem-Que-Não-Assina, que a achava "tão gira".
Hoje, na vistoria diária, lembrei-me de olhar para cima, o maracujá já atinge os 2m de altura, e lá em cima, onde estava a última flor do último ramo, uma bolinha verde! O primeiro maracujá!
O primeiro maracujá

Não sei se de alguma forma esta aranha está a ajudar na polinização, ou se é apenas uma hóspede que aproveita a cor semelhante. O facto é que trouxe sorte ao maracujá, e por esta razão a partir de hoje tolero a sua estadia e dei-lhe até um nome: Ivete.
Tal é o tamanho da Ivete que a foto teve de ser tirada em macro, e para isto a proximidade era demasiada para mim. Teve de ser o Homem-Que-Não-Assina a tirar a foto, e adivinhem quem vai apanhar o(s) maracujá(s)...

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Animais na estrada

Ele há com cada animal ao volante...

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Divagações da chuva

Chove a potes lá fora, e pergunto-me onde andou esta água toda no Inverno?

Mas também não interessa muito, o som da chuva é reconfortante, até a viagem para o trabalho, como habitualmente à chuva, feita a velocidade de idoso, soube bem.
Bem, bem, era estar em casa, enroladinha no sofá com "o meu mais novo", a ler um livrinho enquanto a chuva fustigava as janelas e a mini-horta.

E de novo me pergunto, porque estou tão bem disposta num dia tão cinzento, com tanta gente carrancuda à minha volta? Se calhar só porque sim, se calhar porque ontem atirei tão bem, se calhar porque dormi na almofada visco-elástica que comprei no fim de semana, e que bem que se estava lá esta manhã....



quinta-feira, 3 de maio de 2012

Sinais de Crise

Lembram-se da folhinha?
Ora, cresceu, deixou de caber no boião e foi transplantada.

Hoje senti falta de algo que me anime em cima da mesa e olhei para o boião. Não pude evitar um sorriso ao pensar que este boião reflecte os tempos de crise que se vivem.

Está a ficar cheio de moedinhas, daquelas irritantes que recebemos de troco, desde que subiram os preços no refeitório para quantias bicudas.


Faz-me falta uma plantinha, mas já agora vou esperar para ver o que dá para comprar com um boião cheio de moedinhas.

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Feira do Livro 2012

Se houve quem se tivesse ido desgraçar no Pingo Doce, no Dia do Trabalhador, eu cá fui-me desgraçar na Feira do Livro.
Este ano a desgraça foi maior que no ano passado. Ao todo, 27€ gastos, e 3 novos óbvios (a roçar o cliché) para ler:

Equador - Miguel Sousa Tavares
Intermitências da Morte - José Saramago
Quinta dos Animais -  George Orwell

A BMW não vende rodinhas?

Dias de chuva são sempre engraçados na companhia do The Red Bimmer. Lá vamos os dois, devagarinho, atentos a cada curva, nunca esquecendo que temos tracção atrás.
Mais engraçado ainda é quando encontramos outro carro de tracção atrás e de repente parece uma procissão, a ver quem reduz mais nas curvas.

Esta manhã fui muito tempo atrás de um Mercedes, numa velocidade moderada, enquanto discutia com o Bimmer as vantagens de colocar umas rodinhas de apoio (como nas bicicletas dos putos) nos carros de tracção traseira nos dias de chuva.
Dei graças cedo demais quando me livrei do Mercedes e finalmente poder decidir a que velocidade ridiculamente baixa seguir, quando encontrei à minha frente outro BMW, que seguia ainda mais devagar que o Mercedes.

Mercedes com rodinhas

Nada contra, eu compreendo como é e reprovo cada carro de tracção traseira que passa por mim a abrir em dias de chuva. Concerteza são pessoas de muita sorte, que ainda não apanharam sustos.

Aproveitam os condutores de tracção dianteira para gozar connosco nestes dias, mas continuo a afirmar que o prazer de condução que dá nos dias secos compensa em muito os dias do "Ai ai, uma curva molhada!"