sexta-feira, 27 de abril de 2012

Noites estranhas

Tem sido uma semana atribulada no colchão Dos-Que-Não-Assinam.
E não comecem já com piadinhas, porque estou a falar de pesadelos....

No início da semana tive um pesadelo, sonhei que a cama estava cheia de aranhas verde fluorescente, e tal é a minha fobia que quando acordei estava em cima do Homem-Que-Não-Assina a gritar "Não, não!".

Fui gozada, claro está, pelo Homem-Que-Não-Tem-Medo-De-Aranhas...

Hoje tive uma cãimbra a meio da noite, e comecei a choramingar por não conseguir esticar a perna. Estava eu em agonia com dores, começou ele a abanar-me, a chamar o meu nome e a dizer "Acorda, acorda".

E eu respondia aflita "É uma cãimbra, não consigo esticar a perna!" e ele continuava "Acorda, acorda!"

Foi a minha vez de gozar....ele pensava que fosse outro pesadelo com aranhas.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Por mim acabava já

Sabem quando as semanas são tão cheias de coisas que ao fim de 3 dias já sentimos que vivemos 5?
Por mim esta semana acabava já hoje. Estou mais que pronta para o fim de semana.

terça-feira, 17 de abril de 2012

As leis são para os parvos

Chego à conclusão que quem é realmente estúpido somos nós, as pessoas honestas.
Nós, que gostamos de dormir descansados e que nos metemos em trabalhos para cumprir a lei, quando cada vez mais me convenço que é tão mais fácil não cumprir nada e ir seguindo em frente como os demais.
Nós, que por termos cães "potencialmente perigosos", nos damos ao trabalho (e não é um trabalho, é uma trabalheira), de pôr chip e tirar a licença e fazer o seguro, e nos desdobramos em apelos e papeladas porque não se tira a licença sem seguro e não se faz seguro sem licença.
Nós, que depois de passar por tudo isto todos os anos, sabemos que cada vez que entra um cão destes num canil ou veterinário, não é passado na máquina em busca de nenhum chip, e que todo aquele trabalho que tivémos não reverte de forma alguma a nosso favor, mas serve apenas e só para nos imputarem culpas caso o cão faça alguma coisa.

O meu cão desapareceu por um dia, foi dos piores dias que tenho memória e depois de horas a procurá-lo, na minha boa vontade, e muito a custo, fui ao posto GNR para fazer a participação do desaparecimento.
Incrédula na justiça, ainda me restava a esperança que a minha participação  fosse útil para que fosse emitido um aviso às unidades que andam na rua ou aos canis, para o caso de encontrarem um cão com aquela descrição.
Mas sabem para que serve a participação à guarda? Para pagar uma coima por ter perdido o cão. Apenas e só para isso! Nenhum aviso será emitido, os canis não serão avisados, nem tão pouco os veterinários.
Como é óbvio, assim que percebi isto, "lembrei-me" imediatamente onde tinha deixado o cão.

Mas entretanto ficaram na memória as únicas frases que ouvi:"se alguém reportar uma ovelha comida..." ou "se alguem o atropelar e partir o carro..." ou "se alguem fizer uma queixa"...."então a sra será imputada da responsabilidade penal".

Se o cão não tivesse chip, se eu não tivesse gasto tempo e dinheiro a cumprir a lei, ao perder o cão ficaria apenas triste e desolada, sem mais preocupações, penais ou legais. Provavelmente ía começar a dormir melhor mais cedo, sem medo de me aparecer a guarda para me levar.
Preocupação com o meu caso? Nenhuma!
Protecção ou diferenciação para os donos responsáveis e cumpridores da lei? Nenhuma!
Benefícios de cumprir a lei? Nenhuns!

O cão reapareceu em casa, sozinho, e na minha cabeça já ressoam milhentas ideias de como o identificar melhor, mas uma coisa fica assente: continuarei a cumprir a lei, porque sou parva.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Uma manhã no Centro de Saúde

Nada como passar uma manhã numa sala de espera de um Centro de Saúde para ver o mundo aos olhos dos idosos.
São 08h00 e picos, na televisão da sala de espera dá o Telejornal das 8, na RTP1 e a notícia é a indemnização  antecipada aos agricultores por causa da seca.
As reacções gerais: "Pois, só dão a quem já tem terrenos, a nós não nos dão nada.", "Só dão a quem já tem.", etc.

Ora aí está uma ideia revolucionária, darem os subsídios da seca a quem não tem terrenos. É sim senhora uma forma de redistribuir a riqueza. Está-se sempre a aprender...

sexta-feira, 13 de abril de 2012

O fanatismo

Fui assistir ao jogo Sporting-Benfica e cheguei, a pé, ao mesmo tempo que duas claques do Benfica.
Afastei-me para um local seguro e fiquei a ver o espectaculo, que digo-vos já, é mesmo muito triste.

Nunca tinha visto a chegada das claques ao vivo, nos media só se vê o que lhes apetece, conforme o ponto de vista de quem edita. O facto é que a cena é triste, seja qual for o ponto de vista.

A claque que chega vem a entoar cânticos de ofensa a todos e mais alguém, em vez de cânticos ao seu próprio clube.
E os adeptos do clube anfitrião vão a correr "ai que estão a chegar e eu não estou lá", atropelam quem for preciso pelo caminho, para se irem pespegar no cordão policial, a fazer o quê? Pensei eu: atirar pedras, ofender de volta, cuspir?
Não, mostrar o dedo médio.

Aquela pressa toda é para irem mostrar o dedo médio e assim as claques entrarem no estádio por entre um corredor de costas de polícias e dedos médios estendidos.
Bonito, muito bonito, só é pena esquecerem-se que o futebol é um desporto. Ou então nunca souberam o que é desporto. Se calhar é mais isso.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

ATENÇÃO - Ladrões na Avenida Lusíada

Devem lembrar-se do post onde relatei o incidente com o meu carro.
Ora bem, ontem, confiante que o incidente tinha sido um caso isolado, estacionei perto do mesmo local, perto da entrada de metro do Alto dos Moinhos.
Ao voltar ao carro, ainda longe, reparei num sujeito que rondava um X5 ali perto, e que a seguir parou perto do meu carro.
É um facto que me esqueci de relatar, naquele dia apenas os 2 BMW's estacionados naquela avenida foram roubados.
Reparei também num outro, em cima da sapata da ponte, que controlava quem vinha e tinha até vista para as escadas de saída do metro.
Acelerei o passo e ao chegar perto do primeiro acabaram-se as dúvidas. A mão esquerda estava enrolada num cachecol. Trazia uma mochila grande, vazia, e trocava olhares com o sujeito na ponte. SÃO ELES, gritava o meu cérebro.
Que raiva não poder fazer nada, que ganas de os espancar, que pena de não os ter apanhado a roubar de facto, que agarrava já ali um com unhas e dentes. Não pude fazer nada a não ser fixá-los como quem diz "sei quem vocês são" até se afastarem.

Mas fica aqui o aviso, é para isso mesmo que serve um blog afinal, e não tenho respeito nenhum por este tipo de gente (os que roubam a quem trabalha) que me faça procurar a que etnia pertencem, por isso vai assim mesmo:

ATENÇÃO AO ESTACIONAR NA AVENIDA LUSÍADA.

DOIS MONHÉS ASSALTAM OS CARROS, PARTEM OS VIDROS E LEVAM A PRIMEIRA COISA QUE APANHAM. TÊM PREFERÊNCIA POR BMW'S.

UM MAGRO, DE CHAPÉU DE PALA, COM UMA MOCHILA VERDE GRANDE VAZIA, UM CACHECOL ENROLADO NA MÃO, RONDA OS CARROS.
UM GORDO, DE CHAPÉU TIPO BOINA, COM UMA MOCHILA PRETA, EM LOCAL ALTO, NA SAPATA DA PONTE OU NA PONTE, CONTROLA QUEM VEM.

terça-feira, 10 de abril de 2012

A pereira

Um dos problemas de ser uma menina da cidade é, por exemplo, semear melancias num vaso e quando começam a aparecer os primeiros rebentos ficar na dúvida: já são as melancias ou são só ervas daninhas?

Resta-me esperar que cresçam.....

Mas há casos em que não dá para esperar, há um post a fazer, com data marcada, e não se pode ficar à espera que a árvore dê frutos para anunciar ao mundo que tipo de árvore é.

Assim sendo, recorri a um "especialista" e mandei as seguintes fotos ao meu pai.


E já posso agora afirmar que hoje o Lucas faria 18 anos, e com muita pena de todos nós não os poderá celebrar, mas está muito bem instalado na base desta pereira.

Sim, é uma pereira e diz o meu pai que sou naba porque até já tem pêras, basta ver a última foto...certo, depois de saber que são pêras, está bem...

A dita pereira apanha sol durante todo o dia e embora tenha sido escolhido um pouco à pressa e no pânico do momento, parece-me agora o local ideal para o descanso final do meu amigo felino. Mesmo mesmo perfeito era se fosse debaixo de uma amendoeira, no meio de um campo de alfaces (já que ele adorava petit-four's de amêndoa e folhinhas de alface), mas enfim, a exposição ao sol deve compensar.

Este post é pateta e até faz parecer fácil, mas acreditem que ainda me é muito difícil escrever sobre isto, nem sei se algum dia deixará de ser. Olho para a pereira muitas vezes e apesar de não acreditar em espiritismos, gosto de pensar que fiz boas escolhas para o Lucas até ao fim. Por isso, e sempre com um nó na garganta, esta pereira faz-me sempre sorrir.

sábado, 7 de abril de 2012

O primeiro pequeno-almoço "fora"

A estreia da mobília.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Almoçar fora a 2

Em conversa com o Homem-Que-Não-Assina, concordámos que toda a conjuntura económica nacional e familiar nos está a favorecer imenso ultimamente, e que o próximo ano vai ser cheio de facilidades e prosperidade e que por isso devíamos começar a almoçar fora mais vezes.

Dito e feito, aproveitámos uma promoção na CASA e aqui está a solução:

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Strawberry Wall

Acho que ainda não vos mostrei o meu mural de morangos. Pois, este ano decidi dispô-los assim. Os canteiros  normais eram poucos práticos, muitos frutos ficavam escondidos no meio da folhagem, e era mais chato ainda quando cresciam encostados ao solo, acabando muitos por apodrecer.

Foi de facto um investimento, esta solução de vasos não é barata, mas o rendimento da plantação também será outro, desta forma os morangos crescem suspensos, prontinhos a colher. E em termos práticos, para manutenção, nem se compara. Certamente vou reaver o investimento em pouco tempo, nem que seja em facilidade de acesso.

Quem também gostou muito da mudança de local dos morangueiros foi a colónia de vespas que mora ali perto. Agora os morangueiros estão mais perto de casa (delas) e passam o tempo de volta das flores.

Resmungava eu com as vespas por não me deixarem em paz enquanto arrancava ervas daninhas, e dizia-me o Homem-Que-Não-Assina:
- Deixa-as estar coitadinhas, que polinizam.

Ao que eu respondi, enfurecida por estar sempre a ser interrompida por tais bichos que mordem e não morrem:
- POLINIZAM O CARA...!

(E estava a ser um post tão bonito, não era? Com dicas de agricultura em casa e tal... até parecia um daqueles blogs cor-de-rosa. Mas depois de um post chamado "It's on, bitches!" esperavam melhor? A sério?)

terça-feira, 3 de abril de 2012

IT'S ON, BITCHES!

O título é para ler com pose provocadora, mão esquerda na anca, braço direito em posição de segurar malinhas, mão direita com um indicador espetado, pulso flectido, pescoço a oscilar lateralmente e lábios a fazer bico de pato. (Se conseguirem fazer isto, depois indico-vos um quiroprático jeitoso para vos desfazer a pose.)



Almoçar fora

Já me chega um dia inteiro fechada num escritório para castigo, por isso ao almoço opto muitas vezes por "almoçar fora".

Aquecido o almoço no micro-ondas, zarpo para uma sombra, e ali fico na companhia de um livro.






O cheiro do almoço que se escapa pela janela traz de vez em quando outras companhias para além do livro...

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Sabem quem está a gostar muito desta chuvinha?

As minhas alfaces!

Infelizmente as caracoletas também...estão a ver aquela folhinha ali no canto? Foi o que sobrou do primeiro ataque.
Esta foto foi tirada na sexta e ontem à noite já desapareceram mais duas.

De hoje não passa, vou fazer um abrigo anti-caracoleta. E acabou-se também a tolerância, a partir de agora caracoleta apanhada no meu quintal não terá um final feliz noutra horta qualquer, mas sim numa chapa ou tacho qualquer. Está feito o aviso.

BRING IT ON, SNAILS!