sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Tricky Little Heart

Sou muito assustadiça.
E muito é capaz de ser aqui um eufemismo, porque basta uma bolinha de cotão que num primeiro olhar tenha uma parecença mínima com um bicho e é o suficiente para me fazer saltar 3m de imediato.

Mas atenção, ser assustadiço não é ser medricas! Porque ao olhar uma 2ª vez para o objecto de susto assumo de imediato a postura adequada e auto-critico a minha imaginação fértil.

O ser assustadiço ganha toda uma nova dimensão quando se conjuga com ser distraído, coisa que também sou...bastante! E fica ainda mais giro quando se cozinham estas minhas qualidades com a minha aracnofobia!

Tudo isto serve de introdução à pequena rábula que vos vou contar a seguir, acerca do meu "tricky little heart". Temos como piada caseira a certeza de que a nossa gata hiper-nervosa Nikita, quando morrer, será de ataque cardíaco, causado pelo aspirador ou simplesmente por um "bom dia" do Homem-Que-Não-Assina. No entanto, em dias como o que passo a contar, fico a pensar se não serei eu a padecer primeiro...

Cenário: Cozinha da Habitação-Que-Não-Assina
Cena: Uma noite de semana normal, lá fora chove a cântaros, eu estou a preparar o jantar, o Homem-Que-Não-Assina saiu já há algum tempo para tomar banho no piso de cima.

Completamente absorta entre o som da chuva e dos tachos, entretida a pensar nas especiarias, em frente ao fogão, não dou pela entrada do Homem-Que-Não-Assina na cozinha (e eu ía jurar que ele entrou pé ante pé de propósito) que me pergunta:

- O que é que estavas há pouco a....
- HAAAAAAA! - interrompo-o de imediato, assustada pela sua presença atrás de mim, virando-me de costas para o fogão.

O meu corpo fica dormente, percorrido por uma corrente eléctrica instantânea, tenho uma dor no peito, as minhas pernas tremem.
Enquanto lhe explico que não, não me esqueci que ele mora lá em casa, mas que ele sabe bem que não pode entrar assim de fininho, o Homem-Que-Até-Sabe-Ser-Sensível-De-Vez-Em-Quando, conhecendo já o meu estado após um susto, e tentando não rir, diz-me calmamente:

- Não olhes para o fogão!

Gosto sempre destas cenas nos filmes, é certinho que vão olhar, não é? E assim fiz eu também!

A fugir da chuva lá fora, através da chaminé, descia em direcção aos tachos, pendurada na sua fina teia, uma aranha do tamanho de um euro.
Mais um "HAAAAAAA", três passos atabalhoados para trás, seguido de um "Mata! Mata!".
E o meu coração, onde ele já ía, ninguém o apanhava, toda a minha pele em estado de alerta, capaz de sentir qualquer perturbação, magnética que fosse!

Dois sustos de seguida, o Homem-Que-Não-Assina perdido de riso, eu a ver pequenas aranhas em tudo o que era manchinha da parede e bolinha de cotão no chão, ele a imaginar-se viúvo, eu a tentar desatar o nó do peito.

Rais'parta mais ós bichos e às aranhas e ó camandro! Ainda não está escrito mas este é o título do próximo post!  :)

1 comentário:

al disse...

adorei, quero saber as cenas dos proximos capítulos...