quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Gosto de ti quando não existes

Diz o Luís Represas que "Gosto de ti quando és razoável, gosto de ti volátil e maleável".

RAZOÁVEL? Então e quando estou zangada, efusiva, triste, exaltada, aborrecida ou enervada? Não?
Portanto é só quando te faço as vontades, não é?

Gajo que me dedicasse esta música levava no mínimo um sopapo (gosto tanto desta palavra).

Faz-me lembrar aquela outra "You say it best when you say nothing at all", ou seja, "Gosto de ti quando estás caladinha".

1 comentário:

Afonso Loureiro disse...

O Luís Represas há muito que é conhecido por cantar a mesma canção com letras ligeiramente diferentes. Desta vez escolheu uma letra mais parva que o habitual, mas como é para ser ouvida como música de fundo, ninguém faz caso. Até podia cantar as primeiras páginas da lista telefónica, que era o mesmo.