sábado, 9 de abril de 2016

A alegria de reecontrar o Petzi

Feliz hora em em que decidi ir investigar um novo hipermercado de abriu no Natal perto do meu trabalho.

Esperei 4 meses desde a inauguração, pareceu-me uma boa margem para que a relação hipermercado - compradores compulsivos  perdesse o entusiasmo inicial. E acertei!

À hora de almoço o hipermercado estava vazio, corredores enormes, só para mim e para o meu carrinho. Era tal a paz que até me dei ao luxo de ir passear para o corredor dos livros e como habitualmente, desde há 3 anos, uma das paragens foi nos livros infantis. E o que vejo eu entre o Mickey e a Doutora Brinquedos?

ISTO!!!!!


Livros do Petzi!!!! Infelizmente só estes dois, que agarrei de imediato.
Lembro-me destes livros, acho que estavam na casa do meu avô, numa edição com tradução brasileira, em papel tipo jornal.  Tive a vaga esperança que fossem encontrados há pouco tempo, quando se fez a grande arrumação dessa casa, mas não...perdidos para sempre.

Quando eu era pequena, li-os e reli-os imensas vezes e lembro-me que já eram velhinhos, e que lhes faltavam páginas, mas nada disso diminuía as imensas gargalhadas que me deram.

Lembro-me muito bem deste em especial, "A ilha das tartarugas", em que a estupidez e o non-sense se repetem incessantemente. Tão bom!

Conforme diz este artigo que entretanto achei à procura de onde comprar os outros da colecção:
"Lembra-se do Petzi? Se respondeu não à pergunta anterior é provável que não tenha sido criança (nem pai ou mãe) nos anos 80."

E estou em pulgas para chegar a casa, lê-los e guardá-los na estante, perdão, na minha biblioteca pessoal. Ainda mais em pulgas para os mostrar aos miúdos quando tiverem idade para apreciar e deliciar-me enquanto eles dão as mesmas gargalhadas que eu já dei. Provavelmente esta última parte não vai acontecer...nunca se entusiasmam com as mesmas coisas que eu....vai na volta acham mais piada ao saco de plástico em que os livros vão. Assim, tipo os gatos!

Sem comentários: