quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Odeio o Natal (sem abraços)

Odeio o Natal, desde que os meus pais se separaram, odeio! Mas agora ainda mais, talvez porque se expandiu a família, sistema esse que sempre me fez confusão.

Nem sempre fazemos as escolhas certas, caramba, olhem para nós!
Mas se tentarmos só fazer de cada dia um dia bom, só um de cada vez, aproveitando tudo o que ele nos dá, sim, mesmo sem pensar em consequências na maior parte dos casos, garanto que conseguimos pelo menos um sorriso por dia e isso já não é mau!

Por mais passada que ande, há sempre 4 bracinhos que me tiram o peso todo de cima, uns segundos por dia, nem sempre consigo isso todos os dias, mas nos dias que consigo vale por todos.

Na 2ª feira a seguir ao Natal estava em baixo de espírito quando fui acordar os putos de manhã, o F. acordou, olhou para mim, abraçou-me e disse "Mamã, gosto muito de ti". Comecei a chorar instantaneamente, misto de alegria e tristeza e realização de como era a coisa mais bonita que me tinha acontecido neste Natal. 

Ele perguntou-me porque estava a chorar, na verdade era medo que ele cresça e deixe de me dizer estas coisas, mas eu disse "Porque o Natal acabou.".

Sem comentários: