segunda-feira, 21 de março de 2011

Pesquisa Imobiliária de Mercearias

Depois de um dia bem passado por terras alentejanas, chego à conclusão que procurar propriedades nesta zona se revela uma actividade muito lucrativa, nem que seja em géneros.

Ao comentário "Além da casa, queríamos um bocadinho de terra, para cultivar..." vem invariavelmente a resposta "Ai, mas aqui a terra é muito boa, ora prove só estas ______" (preencher com o produto a gosto, por exemplo laranjas, maçãs, cenouras, alfaces, etc)

Ao fim de um dia de busca imobiliária, contávamos já com 1kg de laranjas, 2 alfaces e 2 tangerinas.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Everybody in the house, Put your hands up

Já gostei mais de tomar banho, já...

terça-feira, 15 de março de 2011

Pontaria danada

Lembram-se de quando recebi uma Wii de prenda de anos e tinha acabado de fissurar um cotovelo, e vai daí a Wii ficou um mês lá em casa à minha espera?

Ora agora comprei uma mota nova, não foi? Pois...


Era só uma dorzinha que me deu depois de um treino, com a qual decidi nhurramente ir fazer uma prova de dia inteiro, e vai daí toma lá 2 dias de castigo em forma de imobilização do pulso, por ordem do fisioterapeuta e depois logo se vê!

segunda-feira, 14 de março de 2011

Ai que se acaba

Já não é a primeira vez que ocorre uma destas paralizações dos camionistas, fazendo com que todos corram ao supermercado mais próximo para comprar arroz e açucar que dê para 3 anos.

Normalmente recuso-me a alinhar nestas febres, mas desta vez, olhando para o meu depósito de gasóleo e para o número crescente de bombas com combustível esgotado, bastariam mais 2 dias para ter de encostar e esperar pelo retorno dos camionistas.

Assim, lá fui, contrariada, atestar o depósito, quebrando todas as minhas regras de poupança, já que tive de ir a uma bomba mais cara, pois nas outras já há muito se tinha acabado o gasóleo normal. O que mais irrita nisto tudo é ver na fila pessoas com todo o aspecto de saírem com o carro só aos domingos, mas mesmo assim ali estão para atestar e contribuir um pouco para a histeria geral.

O funcionário da bomba contou-me que momentos antes tinha parado um indivíduo numa pick-up, com um bidon na caixa, e meteu 1000€ de gasóleo. Certamente a pensar vender amanhã ao dobro do preço, quando todas as bombas estiverem secas.

Depois de ter gasto meia hora numa fila e uma pipa de massa a atestar, é bom que os camionistas só desbloqueiem mesmo para a semana que vem...


----------------------------

Esta manhã vi dezenas de camiões parados. Eram de França, Espanha, Portugal, e preenchiam completamente as bermas da N9, de um lado e de outro. Os condutores estavam animados a montar uma churrasqueira em meio bidon, e uma tenda gigante com uma lona, antecipando o dia solarengo, bem bom para umas febras à beira da estrada acompanhadas de uma "mine". Tudo isto se passava a 200m de uma BP, que estava às moscas.
Tentei tirar uma foto, mas a GNR também lá estava, provavelmente para ganhar lugar na fila das febras...

Brinquedo Novo


Haverá quem diga que comprei um Tupperware Voador... Eu cá digo que vou sentir muuuuuitas saudades do som da CB500, mas que comprei uma coisinha mais ao meu tamanho e ao meu peso, lá isso comprei.

Com uns estonteantes 13km no conta-quilómetros (distância exacta do stand até à minha garagem), já lhe prometi a rodagem dos 500km para esta semana.

Chamei-lhe LéLé e é liiiiinda!

sexta-feira, 11 de março de 2011

O Mundo está entregue aos bichos

É o que concluo quando na minha primeira aula de um Curso de Gestão, um professor de Direito nos manda ler "O Triunfo dos Porcos" e a "Ilha dos Pinguins".

segunda-feira, 7 de março de 2011

Adrenalinoólico

Maluquinho das velocidades desde que o conheço, o Homem-Que-Não-Assina vibra com rotações, binários, potências e acelerações.

Quando surgiu a conversa de comprar uma mota nova, corria assim a conversa:
HQNA - Tem de ser uma 1000.
Eu - Mas porque é que não pode ser uma 600?
HQNA - Porque não chega aos 300...

E é assim nas motas, nos carros, no trabalho, e em tudo. Um filme tem de ter cenas de acção constantes senão é uma seca, o trabalho tem de ser feito, mal ou bem (de preferência bem), mas sem momentos mortos, para o Homem-Que-Não-Assina a vida tem de ser cheia de acontecimentos, senão não presta.

E em alturas destas em que a minha vida se precipita de tal maneira que nem tempo tenho de vir ao blog satisfazer a vossa sede de disparates, entre os trabalhos, os treinos e as futuras aulas (sim, vou isso tambem mas fica para outro post), penso que é provavelmente por isto tudo que ele gosta de mim, porque estou sempre a acontecer!